Categorias
Ceará Ciência de Dados Webinar

I Congresso Internacional sobre Violência de Gênero: ações estratégicas, políticas públicas e tecnologias

No dia 26 de janeiro de 2023 acontecerá o “I Congresso Internacional sobre Violência de Gênero: ações estratégicas, políticas públicas e tecnologias (I CIVIGE)” com o objetivo de fomentar a promoção da igualdade de gênero, o acesso à informação e a cooperação para o desenvolvimento de uma cultura de paz. Além disso, esse será um momento para capacitar e qualificar o público-alvo mediante o aperfeiçoamento do conhecimento e o debate amplo a respeito de temas atuais.

Na primeira parte do evento, período da manhã, acontecerá o lançamento do livro “Feminicídio: mapeamento, prevenção e tecnologia”, dos autores José Antonio Fernandes de Macêdo, Sílvia Rebeca Sabóia Quezado e Tiago Dias da Silva. No período da tarde, dedicaremos espaço para os debates.

O I CIVIGE é um projeto científico idealizado pela Universidade Federal do Ceará – UFC (Brasil), o Departamento de Computação da UFC (Brasil), o Insight Data Science Lab da UFC (Brasil) e o Laboratório ÍRIS de Inovação e Dados da Casa Civil do Governo do Ceará (Brasil), em parceria com a Universidade Católica Portuguesa | Porto (Portugal) e apoiado pelo Sistema Fecomércio Ceará (Fecomércio/CE), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC/CE), Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/CE), a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), entre outras instituições nacionais e internacionais.

Neste congresso traremos grandes nomes do pensamento jurídico para o centro dos debates, como: a Vice-Governadora do Ceará, Jade Afonso Romero, o Conselheiro Marcio Luiz Coelho de Freitas, Supervisor da Política Judiciária de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres do Conselho Nacional de Justiça e o Ministro do Tribunal Superior do Trabalho e Coordenador Nacional do Programa Trabalho Seguro da Justiça do Trabalho, Alberto Bastos Balazeiro.

 

 

Conheça os profissionais que participarão do I CIVIGE:

PROGRAMAÇÃO:

09h – Credenciamento

09h30 – Cerimônia de abertura
Jade Afonso Romero (Vice-governadora do Ceará).

10h – Palestra Magna: Política Judiciária Nacional de Enfrentamento Contra a Mulher
Presidente de mesa: Hermano Queiroz Júnior (Presidente da Associação dos Magistrados do Trabalho da 7ª Região – (ANAMATRA VII).
Marcio Luiz Coelho de Freitas (Conselheiro do Conselho Nacional de Justiça, supervisor da Política Judiciária Nacional de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres do CNJ).

10h30 – Lançamento do livro “Feminicídio: mapeamento, prevenção e tecnologia”, dos autores José Antonio Fernandes de Macêdo, Sílvia Rebeca Sabóia Quezado e Tiago Dias da Silva.
Apresentação do livro – Maria Elisabete Ferreira (Professora Auxiliar da Escola do Porto Da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, Coordenadora da Qualidade da Escola de Direito da Universidade Católica Portuguesa, Investigadora do Católica Research Centre for the Future of Law).

12h às 14h – Intervalo para o almoço

14h – Painel 1: Brasil e Portugal: os reflexos da violência de gênero
Presidente de mesa: Jessika Moreira (Coordenadora-geral do Íris).
Luciana Paula Conforti (Vice-presidente da ANAMATRA e Presidente da Comissão ANAMATRA  Mulheres).
Sandra Tavares (Professora Auxiliar da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa).
Ricardo Gleidson de Vasconcelos (Coordenador de Inteligência de Dados do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará).

15h20 – Painel 2: A violência de gênero em dados
Presidente de mesa: Rosa Mendonça (Juíza de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará).
José Antonio Fernandes de Macêdo (Cientista-chefe do Governo do Ceará e Professor da Universidade Federal do Ceará).
Sílvia Rebeca Sabóia Quezado (Pesquisadora da Universidade Federal do Ceará).
Tiago Dias da Silva (Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará).

16h20 – Encerramento
Presidente de mesa: Fábio Zech Sylvestre (Advogado – RZA ADVOGADOS- e Professor Universitário).
Alberto Bastos Balazeiro (Ministro do Tribunal Superior do Trabalho e Coordenador Nacional do Programa Trabalho Seguro da Justiça do Trabalho).

 

Você pode acompanhar o I CIVIGE ao vivo pelo canal Insight Lab no YouTube:
Primeira parte do evento (manhã): https://youtu.be/CT4npyhEu84

Segunda parte do evento: (tarde): https://youtu.be/XZRGfTGHR34

 

Mais informações:

Data: 26 de janeiro de 2023 (quinta-feira)

Início: 09h 

Público-alvo: comunidade jurídica, sociedade civil, universitários e demais interessados nas temáticas do I CIVIGE.

Carga horária: 08 h/a.

Com emissão de certificado.

Modalidade presencial: auditório do SENAC REFERENCE (Endereço: Av.Desembargador Moreira, 1301, Aldeota, CEP: 60170-001, Fortaleza/CE);

Modalidade à distância: Transmissão Ao Vivo no YouTube no canal Insight Data Science Lab.

 

 

Categorias
Ceará Ciência de Dados Redes Neurais

Conheça o modelo computacional cearense que rastreia sintomas da COVID-19

A pandemia de Covid-19 exigiu dos governos medidas eficientes e aceleradas para o enfrentamento da doença. Nesse contexto, a Ciência de Dados trouxe contribuições fundamentais no entendimento do comportamento do vírus e nas tomadas de decisões de combate.

Uma das soluções desenvolvidas e disponibilizadas para a população no Estado do Ceará foi o Plantão Coronavírus, uma plataforma com mecanismos de triagem que, no primeiro momento, utiliza um chatbot para interagir com o paciente a fim de classificar seu estado de saúde em uma das três categorias: verde, amarelo e vermelho, sendo o nível de criticidade da saúde do paciente leve, moderada ou grave, respectivamente.

 

Trecho da conversa entre o paciente e o chatbot

 

As interações entre os pacientes e os profissionais de saúde por meio do Plantão Coronavírus geraram muitos dados que precisavam ser minerados, analisados e transformados em informação de valor.

Com esse objetivo, pesquisadores do Insight Lab e do Laboratório Íris desenvolveram o Sintomatic, um modelo computacional criado para auxiliar a Secretaria da Saúde do Ceará no acompanhamento dos pacientes que buscavam algum tipo de serviço de saúde. Além disso, ele contribuiu na descoberta de novos sintomas presentes em vítimas do coronavírus, sejam estes mais frequentes ou raros, e na identificação de comportamentos psicológicos alterados, como ansiedade, angústia e tristeza em pacientes positivos ou não para COVID19.

Conheça neste artigo a metodologia usada pelos pesquisadores para desenvolver esse modelo computacional.

 

Sintomatic

No serviço de Tele Atendimento gratuito oferecido pelo Governo do Ceará, o paciente inicialmente trocava mensagens com um robô. A partir daí, era triado de acordo com seus sintomas e, posteriormente, encaminhado para uma consulta com um profissional de saúde.

Todo o ciclo de integração com o paciente registrado por meio de textos é passado ao modelo Sintomatic para que este possa detectar sintomas em todas as etapas do atendimento.

No projeto, foi mapeada a identificação de sintomas em texto como um problema de reconhecimento de entidade (em inglês, Named Entity Recognition – NER). NER corresponde à capacidade de identificar as entidades nomeadas nos documentos e rotulá-las em classes definidas de acordo com o tipo de entidade. De forma geral, o robô de captura de sintomas possui uma rede neural que é capaz de reconhecer entidades. Neste caso, uma entidade é um sintoma.

O Sintomatic é uma rede neural que processa textos em Linguagem Natural, capaz de identificar sintomas a partir de mensagens trocadas entre o chatbot e o paciente. Por meio desse processo, o modelo reconhece novos padrões da doença anteriormente inexistentes ou despercebidos, proporcionando grandes ganhos no entendimento da doença.

Aprendizado por transferência (Transfer Learning) 

A detecção de sintomas no idioma português foi um desafio, pois, até o momento, não havia de forma pública nenhum modelo capaz de realizar essa tarefa, de acordo com o conhecimento dos cientistas envolvidos. O robô desenvolvido foi treinado através de um processo de aprendizado conhecido como Transfer Learning, ou em português, aprendizado por transferência.

A técnica de aprendizagem por transferência utiliza o conhecimento adquirido ao resolver um problema e aplicá-lo em outro problema diferente, porém relacionado, permitindo progresso rápido e desempenho aprimorado ao modelar a segunda tarefa. Em outras palavras, a transferência de aprendizado é a melhoria do aprendizado em uma nova tarefa através da transferência de conhecimento de uma tarefa relacionada que já foi aprendida.

A inovação tecnológica promovida pelo Sintomatic é um modelo neural pioneiro no reconhecimento de sintomas em português, principalmente porque a língua portuguesa carece de modelos NER.

 

Etapas de treinamento

Para treinar o Sintomatic foi utilizado o scispaCy, um pacote Python que contém modelos de spaCy para processar textos biomédicos, científicos ou clínicos.

Em particular, há um tokenizador personalizado que adiciona regras de tokenização baseando-se em regras do spaCy, um etiquetador POS e analisador sintático treinado em dados biomédicos e um modelo de detecção de extensão de entidade. Separadamente, também existem modelos NER para tarefas mais específicas.

Para este trabalho, o modelo utilizado foi o en ner bc5cdr md do SciSpacy, em um processo de transfer learning para treinar um novo modelo de reconhecimento e captura de sintomas em português.

A primeira etapa do processo de treino do rastreador foi traduzir os textos que inicialmente estavam em língua portuguesa para o idioma inglês. Em seguida, inserir como parâmetro de entrada cada texto (em inglês) ao modelo do scispacy, analisar o resultado gerado por este modelo e, logo após, traduzir os sintomas capturados pelo modelo do scispacy em inglês para português.

O conjunto de treinamento para o Sintomatic (novo modelo em português), é composto do texto original e os sintomas capturados pelo modelo do scispacy em português. Esse processo foi executado de forma contínua até que a função de erro da rede se estabilizasse.

Ao final, foi possível atingir para o Sintomatic, F1-score de 85.66, o que é competitivo se comparado ao modelo em inglês, que tem F1-score igual a 85.02.

Etapas do processo:

Fluxo dos dados

 

Nas etapas de translação dos textos foi utilizada a rede de tradução do Google. Atualmente, essas redes de tradução apresentam resultados muito fiéis ao esperado, tornando os ruídos insignificantes quando analisados no contexto deste trabalho.

Um diferencial do Sintomatic é a não necessidade de classificação manual realizada por um humano para reconhecimento de entidades. Em um cenário onde havia vasta quantidade de dados e pouco tempo para processar essas informações, o ganho com a otimização dessa etapa de treino foi crucial no apoio à tomada de decisão.


Boletim Digital

Para o acompanhamento dos dados capturados pelo robô Sintomatic e monitoramento das demais informações sobre a pandemia, foi desenvolvido o Boletim Digital COVID-19 do Ceará. Essa é uma solução tecnológica construída por cientistas de dados onde é feito todo o processo de mineração do dado bruto até sua exposição em painéis gráficos acompanhados de textos explicativos a respeito de cada uma das análises abaixo:

  • número de pacientes atendidos;
  • sintomas mais frequentes e raros;
  • evolução dos sintomas por semana epidemiológica;
  • sintomas ao longo do tempo.

Veja no vídeoabaixo uma demonstração do funcionamento do Sintomatic:

 

Atualmente, o Sintomatic é utilizado na plataforma de Tele Atendimento do Estado do Ceará, onde desempenha papel pioneiro na área da saúde.


Fonte: Rastreador de sintomas da COVID19

 

 

 

Categorias
Ceará Serviço público Tecnologia Transformação Digital

Insight e Iris desenvolvem soluções no enfrentamento à pandemia

O Iris, Laboratório de Inovação e Dados do Governo do Ceará, projeto parceiro do Insight Lab, vem colaborando no contexto de enfrentamento à pandemia por meio da garantia de acesso a informações e a serviços voltados ao público cearense. A nova realidade trazida com a Covid-19 possibilitou um processo de transformação digital no estado do Ceará com o intuito de trazer melhorias para a população e também para a gestão pública.

Iris Lab

O Íris foi criado em 2019 pelo Governo do Ceará e funciona dentro da Casa Civil. Durante a pandemia, entre março e abril, a equipe do Iris, que agrega também cinco profissionais do Insight, foi acionada para ajudar a criar soluções no âmbito digital para o governo, e fazer o atendimento da população. A partir de então, teve início um trabalho em cooperação com a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). 

Soluções desenvolvidas

Pelo menos cinco iniciativas foram criadas como resultado dessa proposta, conforme explica José Macêdo, cientista-chefe de Dados e Transformação Digital do Governo do Estado e coordenador do Insight Lab. “O Plantão Coronavírus foi o primeiro deles, que tinha o objetivo de fazer um atendimento mais eficiente. Nós entramos em lockdown e o atendimento do cidadão estava limitado, então criamos uma solução digital onde, através de um computador ou smartphone, a pessoa podia ser atendida via chat, ‘robotizado’, ou remotamente, por enfermeiros ou médicos”, detalha. 

Em seguida, foi lançado o Plantão Saúde Mental, cuja ideia surgiu com a percepção de que a ansiedade e a depressão passaram a se tornar mais frequentes entre a população. Também foi criado um sistema de priorização de exames através do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). “Era muito importante priorizar os pacientes com comorbidades, mais velhos, então a gente fez todo um trabalho de integração de dados pra priorizar a informação desses exames”, ressalta Macêdo. 

O cientista-chefe também cita a criação do Boletim Digital Covid-19, que traz dados epidemiológicos e assistenciais ligados à doença, com o objetivo de ajudar na tomada de decisões por parte da Sesa. O último trabalho desenvolvido foi o Ceará App, que, por sua vez, trouxe como prioridade absoluta o acesso a serviços.

“Entendemos que, naquele momento, era muito importante levar os serviços públicos na ponta, porque a maioria das pessoas não poderiam sair de casa para serem atendidas, então criamos esse sistema e colocamos vários serviços, inclusive um deles era o que a gente chamou de ‘Caminho Saudável’, que a ideia era permitir que a pessoa pudesse acompanhar seus trajetos, saber se estava em risco de contrair a doença ou não. Adicionamos vários, hoje já tem 40 serviços digitais nesse aplicativo”, afirma. 

Medalha Espírito Público

Esses resultados foram frutos de um esforço em conjunto com o Programa Cientista Chefe da Funcap, a UFC e a Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice), e foram reconhecidos nacionalmente após o Laboratório Íris ser agraciado com a Medalha Espírito Público. Neste ano, o Prêmio homenageou os governos que fizeram trabalhos essenciais no momento de pandemia. 

Para José Macêdo, a premiação reflete o esforço realizado e serve como incentivo tanto para a equipe, como para o Estado. “A gente ficou muito feliz de ter o reconhecimento e de mostrar que estamos no caminho certo. Estamos acompanhando como os serviços vêm sendo usados. Foi um passo muito importante nesse momento”, comemora. 

Fonte: Jornal Diário do Nordeste

Categorias
Big Data Ceará Dados

SSPDS inicia banco de dados sobre pichações para mapear grupos criminosos no Ceará

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE) iniciou o mapeamento da atuação de grupos criminosos do Ceará com a coleta de dados sobre pichações em edificações e muros utilizando inteligência artificial. Baseado na ciência de dados, o aplicativo Portal de Comando Avançado (PCA) agora oferece a função “pichação”, que reunirá dados para estabelecer padrões e comportamentos de integrantes desses grupos no Estado. Essa será mais uma ferramenta para subsidiar o trabalho das agências de inteligência policiais do Estado, reunindo um banco de dados com informações que serão integradas ao Big Data da Segurança Pública.

A primeira coleta da iniciativa aconteceu, nessa segunda-feira (13), durante implantação da 30ª base do Programa de Proteção Territorial e Gestão de Risco (Proteger), a unidade fica no município de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.

Forma de expressão mais utilizada por integrantes de organizações criminosas, as pichações funcionam como instrumento para demarcar territórios, fazer ameaças a rivais e tentar demonstrar poder sobre uma área delimitada. A partir dessa premissa e baseado na análise de comportamentos coletivo e individualizado dos investigados, a SSPDS inicia um levantamento que irá produzir material de inteligência policial para apoiar a investigação criminal e o planejamento de patrulhamento ostensivo realizado pelas agências de segurança pública do Estado. Na prática, os próprios criminosos irão fornecer material para a Polícia alimentar o Big Data; aquilo que pode parecer demonstração de força será empregada para enfraquecer suas ações e fortalecer a segurança pública do Ceará.

 

 

Todas as informações serão alimentadas utilizando o Programa de Comando Avançado (PCA), aplicativo para celulares de uso exclusivo de profissionais da segurança pública do Ceará. Lembrando que pichar é crime conforme a Lei de Crimes Ambientais, com pena detenção que chega até um ano, e multa.

Para o secretário da SSPDS, André Costa, essa é mais uma inovação desenvolvida pela Secretaria na área de ciência policial e tecnologia aplicadas à segurança pública, que vai servir de exemplo para todo o País e América Latina. “Essa nova função que a gente começa a usar hoje (segunda-feira, dia 13) vai permitir que todo policial, a partir de agora, torne-se um agente de inteligência. Ele vai poder, através do smartphone, inserir uma fotografia, que será georreferenciada, ou seja, o próprio celular já vai dar a localização de onde ela (a pichação) está e também marcar o dia e hora dessa fotografia. Ele ainda vai incluir qual o grupo criminoso a que se refere à pichação. Quando esses criminosos picharem o local e os policiais fotografarem e enviarem esses dados, eles entram na base do nosso Big Data da Segurança Pública”, explica.

Os dados compilados na função “Pichação” no aplicativo PCA servirão para construir parâmetros de atuação dos grupos criminosos no Estado e para fomentar estratégias policiais de combate aos crimes nessas áreas. “Os policiais das áreas de investigação e inteligência vão poder ver os dados em um mapa e, assim, a gente vai ter um mapeamento atualizado com dados de determinado grupo criminoso em qual área, bairro ou comunidade ele se encontra. Isso é fundamental para as ações de inteligência tanto para as investigações como também para que o próprio patrulhamento possa organizar seus efetivos e entender quais áreas devem ser priorizadas”, destaca André Costa.

Junto à estratégia de inteligência para coletar dados para uso da segurança pública, os locais onde os policiais encontrarem pichações com marcas de grupos criminosos serão pintados. “Iremos cobrir essas pichações e tirar essas identidades visuais. Isso é muito negativo aqui, especialmente para a juventude, que vê esse exemplo envolvendo facções”, frisou André Costa.

Na palma da mão

O funcionamento da iniciativa é semelhante ao que já acontece com outras ferramentas tecnológicas criadas e desenvolvidas pela SSPDS, em laboratórios cearenses, por meio de pesquisadores financiados pelo Estado do Ceará e com a participação direta de profissionais do Sistema de Segurança do Ceará. O dispositivo utilizado para a função “Pichação” é o Programa de Comando Avançado (PCA), aplicativo para celular que integra bases civil e criminal da população do Estado, dados de veículos e motoristas, biometria e o reconhecimento facial. A nova função já está disponível para atualização nas lojas virtuais para usuários que utilizam os sistemas operacionais iOS e Android. O uso é exclusivo para servidores da segurança pública.

 

 

Como funciona?

Com um smartphone nas mãos e com o aplicativo PCA aberto, o policial vai iniciar o cadastro da pichação inserindo informações relevantes sobre as características encontradas no local. Primeiro, ele vai marcar a qual grupo criminoso pertence aquela pichação, em seguida, incluir uma descrição apontando onde a pichação foi encontrada, como por exemplo, “na parede de uma casa”, “na fachada de um estabelecimento comercial”. O próximo passo é acionar a câmera do celular para fazer o registro fotográfico das inscrições deixadas pelos criminosos. Por fim, o policial vai posicionar no mapa a localização exata da pichação utilizando o GPS do aparelho celular e concluir o cadastro na ferramenta. Em tempo real, as informações são transmitidas para o Big Data para acesso das agências de inteligência policial do Estado.

Tecnologia compartilhada

A função “Pichação” foi desenvolvida numa parceria entre a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE) e o Laboratório de Processamento de Imagem, Sinais e Computação Aplicada (Lapisco), vinculado ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). A colaboração entre as instituições também propiciou a criação e uso do reconhecimento facial, outra ferramenta disponível ao policial que acessa o aplicativo PCA. Juntos, SSPDS e IFCE constroem soluções para aprimorar o uso da tecnologia aplicada à segurança pública a partir da análise de sinais (áudio, voz, imagem, vídeo).

Big Data da Segurança Pública

A criação do Big Data da Segurança Pública, batizado de “Odin”, é fruto da parceria entre a SSPDS e pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC). A ferramenta integra mais de 100 sistemas dos órgãos de Segurança Pública do Estado e de instituições parceiras em uma única plataforma. Ela permite a tomada de decisão baseada em dados, feita de forma automática e em tempo real, dando maior celeridade aos processos e economia de tempo. Além disso, o “Odin” facilita o processo de investigação e inteligência policial com o detalhamento de territórios e informações de caráter investigativo, contribuindo para a formulação de estratégias de combate à criminalidade.

 

Fonte: Governo do Estado do Ceará

 

 

Categorias
Ceará Segurança Pública

Homicídios caem pela metade no Ceará em 2019; menor resultado em uma década

O último mês de dezembro seguiu a tendência de redução no número de assassinatos no Estado. Com isso, o ano de 2019 se encerrou como o menos violento nesse quesito em toda a década no Ceará. Ao todo, no ano passado, 2.257 pessoas foram vítimas de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) — que incluem homicídios dolosos, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios. Em 2018, esse número havia sido pouco mais que o dobro: 4.518 casos.

O resultado é o melhor desde que os dados passaram a ser disponibilizados, em 2009. Naquele ano, haviam sido registrados 2.262 CVLIs. Os números foram divulgados ontem pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Em entrevista coletiva, o secretário André Costa comemorou os números, embora tenha ressaltado, mais uma vez, que não estava “satisfeito” e continuaria trabalhando para reduzir ainda mais os índices.

Ele também voltou a creditar a redução ao trabalho dos órgãos de segurança, sobretudo, aos servidores. Segundo o secretário, contribuíram para os bons resultados ações como patrulhamento ostensivo e preventivo em áreas disputadas por facções. De acordo com a SSPDS, são 29 as bases do Programa de Proteção Territorial e Gestão de Riscos (Proteger) em Fortaleza e Caucaia. Os contêineres, face mais visível do Proteger, são instalados, conforme a SSPDS, em regiões que registram altos índices de homicídios e vulnerabilidade social.

Uma das comunidades que recebeu o programa, a do Sossego, no bairro Quintino Cunha, exemplificou Costa, não registra homicídios há mais de um ano. O secretário destacou ainda que a Polícia Civil tem trabalho focado no monitoramento de alvos com maior “influência” na criminalidade desses territórios. Ainda afirmou que a catalogação dos locais de maior índice de criminalidade favorecem ações sociais.

“A gente tem conseguido, com o estudo que a Supesp (Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública do Estado do Ceará) fez, alinhar com a SPS (Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos) para que a gente possa direcionar mais ações sociais nesses territórios, também com grande apoio da Prefeitura de Fortaleza”, disse Costa, citando ações como bolsas de estudos e estágios e melhorias urbanísticas.

O titular da Supesp, Aloísio Lira, também presente à coletiva, afirma que as melhorias nos índices de criminalidades têm relação com a adoção por parte do Estado de uma política de ciências policiais. Ou seja, a Academia foi “trazida para dentro da segurança”, impactando de forma definitiva a forma como os crimes estão sendo lidos no Ceará. “Hoje, temos uma gestão voltadas a dados. Não é uma novidade no mundo, mas no Brasil é uma coisa inovadora. Isso faz com que a gente tenha uma gestão muito mais precisa”, explicou.

Fortaleza foi a região que mais reduziu homicídios no ano entre as quatro regiões que a SSPDS divide o Estado. Conforme a SSPDS, a queda foi de 55,3%, saindo de 1.482 crimes para 663. Todas as demais regiões também apresentaram melhoria. O segundo território com melhor resultado foi Interior Norte, com retração de 53,1%, indo de 902 para 423.

Em dezembro, foram registrados 205 CVLIs no Estado. Em dezembro do ano passado, haviam sido 328. Interior Norte e Região Metropolitana foram as regiões com as maiores retrações. A primeira apresentou 46,7% a menos, passando de 60 crimes para 32. Já a segunda, com taxa de redução de 45,6%, teve uma queda de 114 mortes para 62. Na Capital, a retração foi de 42,1%, indo de 95 para 55. No Interior Sul, a queda foi de 5,1%, diminuindo de 59 para 56.

Foto: Davi Pinheiro/ Governo do Estado do Ceará

Fonte: OPOVO
Categorias
Big Data Ceará Inteligência Artificial Segurança Pública Tecnologia

Com 30 meses seguidos de diminuição no CVP, roubos de veículos no Ceará se destacam com redução de 46% em 2019

O total de veículos roubados e furtados é de 8.860, neste ano. Já o número de carros e motos recuperados é de 6.559, ou seja, correspondendo a 74%

Por mais um mês, o Ceará registrou queda nos roubos de veículos, conforme dados compilados pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Com isso, o Estado segue com números positivos em todo o acumulado do ano, quando foram registrados 4.696 roubos e 46% de redução em comparação ao mesmo período do ano passado, na ocasião em que 8.657 roubos foram contabilizados pela SSPDS. Com esse balanço de onze meses, a Segurança Pública cearense registra o melhor índice desde 2011, quando ocorreram 3.354 crimes. Esse recorte está inserido nos Crimes Violentos Contra o Patrimônio (CVP), indicador relativo a todos os tipos de roubos (exceto latrocínio), que chega ao 30° mês seguido de números positivos.

Só em novembro, a retração no roubo de veículos foi de 39%, indo de 728, no mesmo mês do ano passado, para 444, no mês passado. Em outubro, a redução foi de 45%, caindo de 855 para 469. Já em setembro, os números caíram de 699 para 356, com 49% de redução. Agosto, por exemplo, diminuiu de 637 para 417, correspondendo à redução de 35%. Em julho, a redução foi de 42%, caindo de 696 para 401 roubos de veículos. Em junho, a diminuição foi de 41%, passando de 768 para 454.

Em maio, foram 50% a menos roubos de veículo, passando de 860, no quinto mês de 2018, para 429, no mesmo período deste ano. Em seguida, vem o mês de abril, que passou de 816 casos para 442, o que corresponde a uma redução de 46%. A retração aconteceu também em março, quando os 913 roubos de carros em 2018 caíram para 472 neste ano, correspondendo a uma redução de 48%. Em fevereiro, a queda foi de 49%, indo de 794 para 405. Por último, janeiro, que registrou a maior queda percentual em um mês, com 54% de diminuição, saindo de 891 para 407 casos.

Recuperações de veículos

Uma das estratégias utilizadas pelo Sistema de Segurança Pública para alcançar esses resultados positivos é a política de combate a mobilidade do crime. Ou seja, a partir do controle de carros e motocicletas que circulam pelas cidades cearenses, a Polícia consegue realizar cercos inteligentes e interceptar veículos automotores roubados, furtados ou aqueles que são utilizados em ações criminosas.

Essa política ocorre por meio da utilização das mais de 3.300 câmeras de videomonitoramento, da inteligência artificial do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia) e dos cercos inteligentes realizados pela Polícia Militar do Ceará (PMCE) a partir de orientações repassadas pelos operadores da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops). O impacto da expansão dessa estratégia se traduz em números que se destacam em 2019, como por exemplo, os veículos recuperados pelas forças de segurança. O total de veículos roubados e furtados é de 8.860, neste ano. Já o número de carros e motos recuperados é de 6.559, ou seja, correspondendo a 74%.

“É fruto de todo o trabalho que temos feito aqui no Estado, ao inovar com o combate a mobilidade do crime. Então, é uma estratégia, que realmente tem dado certo, e servido de modelo para todo o país, já que o Ceará é o Estado que mais reduz roubos em todo o país, como os de veículos e de cargas, por exemplo. Então esse trabalho vem nos conduzindo para esse resultado e certamente terminaremos o ano com um dos melhores resultados de toda a década”, destacou o secretário da SSPDS, André Costa.

Crimes Violentos contra o Patrimônio

Os Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVP) chegaram ao 30° mês de redução consecutiva no Estado. No acumulado de janeiro a novembro de 2019, a redução CVP 1, que abrange roubos a pessoa, de documentos e outros, é de 19,8%. Foram 50.142 ocorrências desse tipo registradas, em 2018, contra 40.202, em 2019. No total, são 9.940 roubos a menos do que no ano passado.

Ainda no acumulado, todas as regiões do Ceará registraram resultados positivos. A maior queda percentual foi no Interior Norte, com menos 31,4% de casos, indo de 4.477 para 3.069. Em seguida, vem o Interior Sul, com queda de 28,9%, indo 3.950 para 2.810.

Depois, vem a Região Metropolitana de Fortaleza, com 24,7 % de redução, diminuindo de 8.583 para 6.459. Por fim, vem Fortaleza com redução de 15,9%, passando de 33.132, nos onze meses de 2018, para 27.864, no mesmo período deste ano. Só em novembro último, o Estado reduziu em 18% o CVP 1, com 827 ocorrências a menos se comparado ao ano passado. Foram 4.588 ocorrências, no décimo primeiro mês do ano passado, contra 3.761, no mesmo período de 2019.

No CVP 2, que abrange roubo de carga, com restrição de liberdade da vítima, a residência, de veículos e contra instituições financeiras, a redução foi ainda maior em 2019. Os onze meses contabilizaram uma queda de 45,7%, com 10.006 ocorrências no ano passado, contra 5.433, no mesmo período de 2019. No total, são 4.573 crimes a menos.

A maior redução percentual, no acumulado dos nove primeiros meses de 2019, foi na Região Metropolitana, com redução de 47,7%: 2.550 (2018) e 1.333 (2019). Em seguida, vem Fortaleza, com 46,9% de queda: 5.282 (2018) e 2.807 (2019). Depois vem o Interior Norte, com 41,5% de diminuição: 1.317 (2018) e 771 (2019). Por último, o Interior Sul, com retração de 39,1%: 857 (2018) e 522 (2019). Só em novembro, foram 334 ocorrências a menos no Ceará, se comparado com o mesmo período do ano passado. Isso corresponde à queda de 40,2% nos crimes, passando de 830 para 496.

Categorias
Ceará Governo Inovação Tecnologia

Governo do Ceará discute estratégias para melhorar a eficiência do serviço público

Secretários e assessores técnicos do Governo do Estado do Ceará assistiram, nesta quinta-feira (28), a uma palestra sobre eficiência no serviço público. Ministrada por André Tamura, fundador e diretor executivo da WeGov, o encontro tratou também sobre inovação no setor público, principal área de atuação da empresa. Até o próximo sábado (30), o grupo de trabalho fará uma imersão no tema para montar um plano de ações para diversas áreas do Estado.

“Inicialmente, vamos falar do que representa a inovação no setor público não só para o trabalho dos servidores, mas na entrega de serviços para a população. Vamos apontar tendências, tratar sobre conceitos e montar algumas estratégias”, disse Tamura.

Transformação digital do Ceará

O evento ocorre como parte do plano de transformação digital do Ceará. Conforme José Macêdo, cientista chefe de dados do projeto, a ideia é criar um grande banco de dados no Estado, integrar informações disponíveis entre as secretarias, aperfeiçoar digitalmente os serviços ofertados à população e capacitar os operadores desses sistemas. “Queremos capilarizar a inovação em todo o Governo e estamos trilhando esse caminho”, disse.

“Trouxemos a WeGov, empresa focada em laboratórios de inovação para serviços públicos, para fazer algumas dinâmicas com secretários e levantar questões sobre o que é inovação no setor público. Isso dentro do contexto de sermos agentes catalisadores dos serviços prestados à população”, completou Macêdo.

Inovação no serviço público

Em sua fala ao público, André Tamura ressaltou a necessidade de que os governos invistam em inovação e tecnologia para atender a população. “É um fato, a disponibilidade de tecnologia está muito alta e essa diferença de tempo entre as organizações privadas e públicas tem diminuído. Essa mudança, não só de tecnologia, mas de comportamento dos servidores, é urgente e necessária para melhorar a vida das pessoas”, apontou.

O palestrante também apresentou algumas experiências internacionais e destacou a tendência de mudança na percepção sobre o serviço público. “Ao longo dos últimos dez anos, têm surgido histórias de governos supereficientes entregando bom serviço à população e aos poucos essas histórias vão tomar conta do imaginário”, concluiu.

Para o secretário chefe da Casa Civil, Élcio Batista, a imersão no tema, até sábado, será importante para o planejamento dos próximos 37 meses de gestão. “Estamos aqui nessa jornada de transformação digital. Todos nós aqui somos importantes para iniciar esse processo de mudança dentro do setor público, no caso, no nosso Governo do Ceará”, afirmou, acrescentando que os servidores sentirão orgulho de contribuir para transformar o Governo do Ceará no mais inovador do país, desafio posto pelo governador Camilo Santana.

“Será uma vitória maravilhosa e que dará orgulho para os servidores públicos quando os cidadãos reconhecerem o trabalho do serviço público. Orgulho em fazer parte do processo em que os cidadãos começam a mudar a percepção sobre o serviço público, que ele não é mais burocrático, não é mais decidido no birô e que os servidores públicos estão entregando com muito mais velocidade, agilidade e com muito mais qualidade, apoiados pela tecnologia”, destacou.

Categorias
Ceará Inteligência Artificial Tecnologia

Spia alerta para veículo clonado e auxilia na prisão de homem em Fortaleza

A inteligência artificial do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia) prestou mais um bom serviço para a sociedade cearense. A ferramenta desenvolvida pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Universidade Federal do Ceará (UFC), contribui para o aumento no número de veículos roubados e furtados que a Polícia cearense recupera todos os dias em todo o Estado. Nessa quarta-feira (20), um homem foi preso em flagrante com um veículo de placas clonadas, no bairro Montese, na Área Integrada de Segurança 5 (AIS 5), de Fortaleza.

A Polícia Militar do Ceará (PMCE), por meio do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio), chegou até o homem, via Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) da SSPDS. Os militares realizaram a abordagem ao condutor Caio César Santos da Silva (32), que foi flagrado com um Hyundai Veloster, com placas clonadas. As originais pertencem a um veículo de mesmo modelo, do estado do Rio de Janeiro (RJ). O veículo também apresentava sinais de identificação adulterados.

O homem foi conduzido para realização de flagrante na Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC). Após ser ouvido na unidade policial, o homem foi autuado em flagrante pelos crimes de receptação e por adulterar ou remarcar número de chassi ou qualquer sinal identificador de veículo automotor. A Polícia Civil investiga a procedência do automóvel apreendido.

Antecedentes

Caio cumpre medida cautelar após ser preso em 2017, em uma operação da Polícia Federal, batizada como “Operação Valentina”. Ele fazia parte de um grupo investigado por furtar contas bancárias e aplicar golpes pela Internet. Os criminosos foram condenados pelo Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), no ano passado 2018.

Recuperações de veículos

Com os investimentos feitos pelo Governo do Estado no combate aos crimes de mobilidade, a SSPDS registrou um aumento na recuperação de veículos subtraídos em ações criminosas. Com as instalações de mais de 3.300 câmeras de videomonitoramento em todo o Ceará, aliadas ao Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia) e à ampliação do motopatrulhamento da Polícia Militar do Ceará (PMCE), como o CPRaio, além do trabalho de investigação realizado pela Polícia Civil, o índice de recuperação já corresponde a 76%, em 2019. Ou seja, em comparação aos 7.974 carros e motocicletas roubadas ou furtadas, as forças de segurança do Ceará recuperaram, em 2019, 6.027 bens automotores, até o mês de outubro deste ano.

Categorias
Ceará Governo Segurança Pública

Roubos de veículos no Ceará registram 46% de queda em 2019

Com mais um mês de números positivos, o Ceará já registra uma queda de 46% no acumulado de janeiro a outubro deste ano, conforme os dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Neste ano, foram 4.252 veículos subtraídos em ações criminosas, enquanto, no ano passado, esse número foi de 7.929. Considerando somente o mês de outubro, a queda foi de 45%, indo de 855 para 469 casos.

Os demais meses também registraram queda nos indicadores criminais. Setembro foi de 699 veículos subtraídos, no ano passado, para 356, correspondendo a 49%. Já agosto, por exemplo, caiu de 637 para 417, correspondendo à redução de 35%. Em julho, a redução foi de 42%, caindo de 696 para 401 roubos de veículos. Em junho, a diminuição foi de 41%, indo de 768 para 454.

Em maio, foram 50% a menos, passando de 860 para 429. Em seguida, vem o mês de abril, que passou de 816 casos para 442, o que corresponde a uma redução de 46%. A retração aconteceu também em março, quando os 913 roubos de carros em 2018 caíram para 472 neste ano, correspondendo a uma redução de 48%. Em fevereiro, a queda foi de 49%, indo de 794 para 405. Por último, janeiro, que registrou a maior queda percentual em um mês, com 54% de diminuição, saindo de 891 para 407 casos.

“Esses números acompanham uma tendência de queda desde 2017, quando começamos a reduzir os roubos de veículos. Foi também nessa época que iniciamos o uso de uma nova estratégia, que é conhecida por estratégia de combate à mobilidade do crime. Foi algo criado aqui no Ceará e que impactou, por exemplo, em 29 meses seguidos de redução consistente nesse índice na Capital e no Ceará”, destacou André Costa, secretário da SSPDS.

Recuperações de veículos

Com os investimentos feitos pelo Governo do Estado no combate aos crimes de mobilidade, a Secretaria da Segurança registrou também um aumento na recuperação de veículos subtraídos em ações criminosas. Com as instalações de mais de 3.300 câmeras de videomonitoramento em todo o Ceará, aliadas ao Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia) e à ampliação do motopatrulhamento da Polícia Militar do Ceará (PMCE), como o Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio), o índice de recuperação já corresponde a 76%. Ou seja, em comparação aos 7.974 carros e motocicletas roubadas ou furtadas, as Forças de Segurança recuperaram, em 2019, 6.027 bens automotores.

“Essa inteligência artificial, que é chamada de Spia, detecta automaticamente a presença desses veículos roubados ou furtados, seja nas ruas de Fortaleza, nas rodovias estaduais e federais, ou nas cidades do interior. Essa ferramenta alerta aos policiais, que passam a buscar essas imagens nas câmeras de videomonitoramento, que foi outro grande investimento feito pelo Governo do Ceará. Nós saímos de 164 câmeras só na Capital para mais de 3.300 em 44 cidades do Estado”, explicou o secretário.

 

Categorias
Ceará Segurança

Homicídios de adolescentes têm redução de quase 65% no Ceará

Em teve tempo de planejar a vida direito porque uma bala atravessou seu corpo e sua história, marcando um ponto final ali, onde era para ter só mais uma vírgula. A narrativa de crianças e adolescentes assassinados é dolorosa e se repetiu, pelo menos, 127 vezes no Ceará, de janeiro a outubro de 2019, segundo dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Ainda que nenhuma perda se justifique, o número representa uma redução de 64,6% nas mortes da população cearense entre 12 a 17 anos, quando comparado aos 359 casos registrados em igual período do ano passado.

A diminuição também está no radar do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA), que, por sua vez, considera o intervalo dos 10 aos 19 anos de idade. A entidade utiliza as informações da SSPDS para contabilização. Conforme os registros diários de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) da Pasta, ampliando a faixa, o número cresce para 185, de janeiro a outubro.

Queda

Passados dez meses de 2019, o número marca uma queda brusca em relação aos 829 homicídios de jovens ocorridos em todo o ano de 2018, e fica ainda mais distante dos 981 assassinatos da mesma faixa etária, em 2017. No ano anterior, 2016, quando o Comitê foi instalado, foram 655 casos. O CCPHA indica que, de 2011 a 2018, chegou a 7.251 o número de homicídios de meninos e meninas com menos de 20 anos no Estado.

Para o sociólogo e coordenador técnico do Comitê, Thiago Holanda, a redução pode estar relacionada à resposta do Estado à crescente de homicídios vivenciada até 2017. Ele aponta o policiamento mais ostensivo e a reorganização do Sistema Penitenciário, com reflexos diretos nos territórios influenciados por grupos criminosos, como fatores importantes para mudanças na dinâmica do crime no Ceará. Ainda assim, o sociólogo recomenda cautela.

“O que a gente não consegue avaliar é qual vai ser o efeito disso depois, se isso se sustenta. Desde 2014, a gente foi tendo uma queda. Em 2016, quando volta a matança, ela atinge sobretudo a juventude mais vulnerável: são jovens que estão fora da escola, ou tiveram passagem pelo socioeducativo, ou tiveram poucas oportunidades de trabalho”, explica, caracterizando as vítimas como “uma juventude de direitos negados”.

Quadro

O entendimento é reforçado pela advogada Julianne Melo, vice-presidente da Comissão Especial de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, da OAB-CE. “Apesar da redução, ainda não se pode dizer que ela é consistente, que ela pode perdurar. O Comitê tem uma série de recomendações para o estabelecimento de políticas públicas, de assistência social, educacionais, de saúde, que pudessem alterar esse quadro. Os vulneráveis a ameaças e à morte precisam de uma série de investimentos, notadamente orçamentários”, destaca.

As ausências são sentidas principalmente pela juventude periférica, segundo Dudu Souza, integrante do coletivo e produtora VetinFlix. “Tem muito de acharem que a juventude entra na criminalidade porque quer. A maioria, quando cai, é por falta de opção, de estrutura. A juventude periférica é esquecida”, considera ele, que ajuda a produzir uma série para a internet em contraponto à imagem das favelas em outras narrativas televisivas.

“A criminalidade tem tudo a ver com a desigualdade. Se a criança tiver oportunidade, ela não vai entrar no crime. A solução pra violência não é a bala, é a oportunidade. Queremos passar pra juventude que eu sou ‘vetin’, falando como ‘vetin’, tô tendo oportunidade de expressar minha arte e nem por isso vou virar bandido. A série parece ser pesada, mas a nossa realidade é pesada”, afirma.

Classificação

Realidade essa investigada por Glória Diógenes, socióloga e coordenadora do Laboratório das Artes e das Juventudes (Lajus), da Universidade Federal do Ceará (UFC), com 150 jovens do Grande Bom Jardim classificados comumente como “nem-nem-nem”: que não estudam, trabalham ou demonstram interesse em retomar a escola ou buscar uma ocupação. Contudo, a partir das entrevistas, ela percebeu que, na verdade, eles são “muito ocupados e mal classificados”.

“Se a gente pergunta se eles estão trabalhando, eles dizem que não. Mas se pergunta se eles tem algum ‘trampo’, eles dizem que sim”, resume. A lista inclui trabalhos em feira, lavagem de roupas e carros, venda de cosméticos e marmitas, costura, cuidados de idosos e serviços gerais. “A primeira coisa é rediscutir o estigma que paira sobre esses jovens, que chamamos de ‘geração N’, em vez de ‘nem-nem-nem’, porque eles dizem ‘não’ ao ‘não’ que é imposto a eles”, reflete Glória.

Conforme a pesquisadora, 72% dos entrevistados declararam que gostariam de voltar à escola, e 80%, que têm vontade de trabalhar. “Mas que trabalho? Os principais interesses deles fogem de uma carreira linear, e se adere a uma ideia de projeto. Eles sonham em ser pequenos empreendedores”, conta. “No aspecto preventivo, a primeira coisa que as políticas públicas deveriam fazer era escutar esses jovens para entender o que eles querem, o que eles podem, o que sabem, e, daí potencializar outras soluções”, reflete.

Em nota, a SSPDS destacou que, além de ações de Segurança Pública, o Governo tem pensado em melhorias e construção de praças públicas, escolas e postos de saúde e a instalação de bases fixas do Programa de Proteção Territorial e Gestão de Riscos (Proteger) da Polícia Militar. Quanto ao fortalecimento do espaço escolar como fator de prevenção à violência, informa que o Estado prioriza a expansão das Escolas de Educação Profissional e de Tempo Integral.

*Foto capa: Kid Júnior

Sair da versão mobile